Início » Blog

Telegram x Whatsapp

Com a determinação da Justiça de bloquear o WhatsApp em todo o Brasil por 48 horas, novo aplicativo Telegram vira febre. Telegram é 100% gratuito Em todas as plataformas, o Telegram é gratuito para baixar e não cobra taxa de adesão. O WhatsApp sugere o pagamento anual de US$ 0,99 depois de um ano de uso (nem todos os usuários recebem a mensagem, mas ela existe). O valor é pequeno, é verdade, mas faz diferença para quem gosta de economizar. Segurança e privacidade : A privacidade é superior no Telegram. As mensagens normais já são seguras, mas o app ainda possui um modo de chat secreto. Essas conversas podem se autodestruir se programadas e a criptografia é ponto a ponto, ou seja, só os dois lados terão acesso ao conteúdo dos recados. Conversa em grupos mais completas No Telegram, há organização nas conversas em grupo. Você pode citar uma pessoa na mensagem para que ela saiba que aquele recado é especificamente para ela, como em uma rede social. Além disso, as repostas podem aparecer abaixo do recado original, como em um fórum de discussão, deixando os papos bem distribuídos na tela. Editor de fotos cheio de opções O app da terra da vodka possui um pequeno e rápido editor de fotos que pode ser usado antes de você enviar uma imagem aos contatos. Ele tem opções rápidas de filtro, contraste e outras configurações, tudo isso sem precisar de outro aplicativo. Velocidade de envio e recebimento Talvez por contar com uma menor base de usuários e servidores menos carregados, o Telegram é considerado mais rápido que o concorrente em envio e recebimento de mensagens, além de avisos e notificações em geral. Você mesmo pode comprovar isso ao baixar os dois [...]

Posicionando marcas tradicionais no ambiente digital

Em 2004 quando tive a honra de escrever um artigo sobre “Marcas Fortes”, para o prêmio Top Of Mind, do jornal do Comércio, eu comentava que as empresas que quisessem desenvolver uma presença eficaz na internet precisavam conhecer seu potencial cliente, suas necessidades e criar estratégias, para se comunicar com eficiência. Percebo hoje, passados nove anos, que a necessidade das empresas continua a mesma. A grande diferença é que surgiram vários meios e ferramentas para se atingir este objetivo. Se antes existiam poucas alternativas de comunicação online como e-mail marketing, o uso ainda incipiente do SMS Marketing e a necessidade de se ter um bom posicionamento nos mecanismos de busca, hoje temos além destas ferramentas, a Publicidade Online com notável retorno para as empresas e as Redes Sociais, que passaram a ocupar espaço de forma avassaladora entre a população que utiliza a internet para se relacionar, seja com seus amigos ou com as marcas que lhe despertam interesse. Redes Sociais como Facebook, Linkedin, Foursquare e Google +, blogs e microblogs como Twitter e Tumblr, aplicativos como Instagram, Pinterest, são hoje a porta de entrada das marcas, e muitas delas já nasceram neste ambiente. E é este o grande desafio das marcas tradicionais. Desenvolver uma presença online de forma efetiva e eficiente. Se antes era importante ter uma presença na web, hoje é fundamental focar numa maior frequência da comunicação da marca com seus clientes em todos os ambientes, estimular o engajamento dos fãs e seguidores para propagar as suas ações de forma viral, monitorar o alcance dessas ações e medir a receptividade de todo o mix da comunicação digital utilizada, junto ao seu público-alvo. E não estou mais falando somente de web, com um site [...]

.com.RIO

Nesse mê, a Prefeitura do Rio anunciou que o Rio de Janeiro será a primeira cidade da América do Sul a ter um domínio de internet com o seu nome. A partir do dia 25 de agosto, os interessados em utilizar ".rio" em suas páginas na internet, no lugar do ".com.br", por exemplo, podem se cadastrar no site "meu domínio Rio". As inscrições estão abertas até o fim do ano para quem mora na cidade ou empresas com sede no município. O preço de manutenção do domínio segundo estimativas vai ser de R$ 60 anuais. Rio assim se junta a outras cidades do mundo como Nova York, Londres, Paris, Tóquio, Barcelona, Roma e Berlim. Segundo o atual prefeito, a criação do domínio coincidiu com os 450 anos da cidade, comemorados em março de 2015, e com as Olimpíadas de 2016, mas não foi inspirada pelos eventos. (Será!?) Critérios Para registrar o domínio ".rio", o interessado deve seguir algun critérios. O site deve ter uma identificação reconhecida com a cidade; somente a administração municipal poderá utilizar nome de bairro, região, local, evento ou  tradição do Rio, como a praia, Copacabana, carnaval, etc. Até o fim do ano, 100 domínios, reservados pela Prefeitura, estarão no ar. (Alguém tem alguma dúvida que alguns nomes como cerveja.rio, ou carnaval.rio, samba.rio... irão ser "cedidos" para AMBEV ou similar!?) "A marca do Rio é muito forte. Temos direito já de usar 100 nomes e já vamos liberar os primeiros domínios. Haverá um comitê gestor, a regra é bastante democrática , mas a prefeitura vai fazer uma checagem para evitar qualquer desvio. As regras são simples e objetivas. Se alguém criar, por exemplo, "eduardopaeséumaporcaria.rio", eu não vou vetar, não é o papel [...]

Facebook vai punir Fanpages!

O algoritmo do Facebook passou por uma importante atualização, a mudança adota a mesma linha dura antispam do google e irá punir quem tenta manipular a otimização do post, chamados de  "Click Bait" ou "Caçador de cliques", em português. Ainda em 2013, o CEO do Facebook iniciou um projeto chamado "post de super qualidade".  Assim, o próprio algoritmo do Facebook pune conteúdos fracos, proibidos e o spam. Porém, esta última atualização teve a mudança mais significativa de todas:  O sensacionalismo de sites e empresas. Abaixo você encontra o que não fazer para não correr o risco de ser penalizado pelo algorítmo do Facebook. Este exemplo acima é um típico post Caçador de Cliques e é baseado em fatos reais. Ele chama atenção e, ao clicar para ler a matéria, você descobre que o jogador ficará apenas quatro jogos de fora por causa da seleção e de uma suspensão. Outro clássico exemplo é o título "Você não vai acreditar no que esse cara fez". Estes posts geram curiosidade e mexem com nosso lado neurológico, pois afeta a sensibilidade do nosso cérebro. Sendo assim, nos sentimos obrigados a clicar para descobrir o desenrolar da história. Como tem muitos cliques, o post é otimizado rapidamente, aparecendo para milhares de pessoas. Isto não significa que ele apresenta qualidade ou que as pessoas realmente ficaram satisfeitas ao entrar no site. Google e Facebook tornaram-se verdadeiros impérios da internet justamente por privilegiar as pessoas. Não por praticarem filantropia, mas por saberem que pessoas satisfeitas permanecem mais tempo no site e geram maior renda neste período. O ponto principal da mudança é que um levantamento feito internamente pelo Facebook provou que 80% de títulos impactantes levam as pessoas para matérias com conteúdo [...]

Desafio do balde de gelo!

A Samsung não poderia ficar de fora  do Desafio do Balde de Gelo e aproveitou para dar uma alfinetada na rival Apple. Em um vídeo postado no canal da marca (veja o vídeo abaixo), o Galaxy S5, que é à prova d'água, surge tomando o banho de gelo. O vídeo traz a narração da assistente de voz do celular que desafia os aparelhos iPhone 5S, HTC One M8 e Lumia 930. É uma ironia, é claro, já que o iPhone 5S não é resistente à água como o rival. Já o HTC e o Lumia possuem resistência à água, mas não como o aparelho da Samsung que aguenta até 30 minutos submerso. Vocês sabem o real significado da campanha do balde de gelo? O Ice Bucket Challenge pretende dar visibilidade à ELA, Esclerose Lateral Amiotrófica, uma doença cerebral degenerativa. O desafiado precisa escolher entre doar US$ 100 para contribuir com pesquisas relacionadas à enfermidade ou jogar o balde de gelo.  

Helvética, o Filme

Helvetica, o filme é um documentário que dismistifica muita coisa sobre a fonte considerada a mais famosa no mundo. Assistindo as entrevistas você começa a entender facilmente quando iniciou a necessidade de usar Helvetica e quando iniciou o ódio a tudo que traz essa fonte. Mostrar que a fonte foi criada por Max Miedinger e Eduard Hoffmann em 1957 e não só por  Miedinger foi essencial para dar os devidos créditos a Hoffmann.  Miedinger e Hoffmann criaram-na para a Haas Type Foundry em, Münchenstein, na Suíça, sendo comercializada pela Linotype em 1961 no mundo todo. O filme não é destinado apenas a pessoas envolvidas de alguma forma com design, eu recomendo para qualquer um. O design como arte está presente na vida de todas as pessoas, desde que nascemos. O seu berço tinha um determinado design, sua mamadeira, o sofá da sua casa, sua mesa, a estante da tv, os eletrodomésticos da cozinha, na rua você pode observar os carros e seus designs diferentes, as placas e a escolha das fontes para os letreiros. E é isso que o documentário Helvetica mostra com perfeição, as infinidades de placas, letreiros, sinais de aviso, todos escritos com Helvetica. No Brasil, eu não diria que a Helvetica tenha tanta força muito menos tamanha presença como tem lá fora, isso porque o sistema operacional mais usado no nosso país é o da Microsoft, que desenvolveu a fonte Arial baseada na Helvetica. Nos países onde os designers só trabalham com Macs (você percebe bem no filme que todos os profissionais possuem um Mac), a fonte suíça é muito mais frequente. O nome da fonte é derivado de Helvetia, o nome latino para Suíça. A fonte Arial, bastante difundida pelo mundo devido ao fato de ter sido [...]

Qual a diferença entre e-mail marketing e spam?

E-mail marketing requer um mailing qualificado e com a autorização (opt-in) para envio de mensagens. Spam é qualquer mensagem, independentemente de seu conteúdo, enviada sem solicitação para diversos destinatários. É importante para uma boa campanha de e-mail marketing a leitura do código de autorregulamentação para prática de e-mail marketing divulgado pelo cgi.br.

No aniversário de 57 anos do VHS Youtube da um preview de como eram os vídeos na época

Hoje é aniversário do primeiro vídeo cassete vendido comercialmente, há 57 anos. Pra homenagear uma tecnologia quase morta, o YouTube lançou nesta segunda um botão chamado “modo fita”. Basta clicar e você verá uma simulação do que era assistir vídeo em VHS, com imagem granulada e tudo mais. Nem todos os vídeos têm o “modo fita” disponível.  Além disso, vídeos embedado também não têm o botão. Conseguimos achar nesse clipe do rapper Pharell e do duo Daft Punk: clique na fitinha lá embaixo e divirta-se. Ah – misture o ‘modo fita’ com a qualidade de vídeo mais baixa disponível pra um efeito acentuado de clipe vindo direto dos anos 80